30 de dez de 2014

Cerimonial finaliza preparativos para posse de Dilma Rousseff


Equipes de cerimonial do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Itamaraty finalizam os ajustes para a posse da presidente Dilma Rousseff na quinta-feira (1º). Em ensaio realizado no domingo (28), foi feita simulação dos percursos que a presidente eleita fará no dia da posse, com alternativas para o caso de chuva.

Dilma deve deixar o Palácio da Alvorada às 14h15, em carro fechado, em direção à Catedral Metropolitana de Brasília. Às 14h45, já no Rolls-Royce conversível presidencial, segue pela Esplanada dos Ministérios até a rampa do Congresso Nacional. O vice-presidente eleito, Michel Temer, segue em outro carro logo atrás, acompanhado da esposa, Marcela Temer.



Os eleitos sobem a rampa do Congresso acompanhados dos chefes do cerimonial do Senado e da Câmara, margeados pelos Dragões da Independência. No alto da rampa, Dilma e Temer são recebidos pelos presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves.

Já dentro do Congresso, caminham até o Plenário da Câmara dos Deputados e, no trajeto, se encontram com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que também deverá compor a Mesa da cerimônia, ao lado dos eleitos e dos presidentes do Senado e da Câmara.

Parlamentares, líderes partidários e chefes de Estado convidados para a cerimônia estarão sentados nas cadeiras no Plenário, e os demais convidados, como embaixadores e membros de delegações estrangeiras, ficarão nas galerias.

Compromisso
Renan Calheiros abrirá a sessão e conduzirá os trabalhos para que a presidente eleita e seu vice-presidente prestem o compromisso constitucional. São feitas a leitura e a assinatura do termo de posse, sendo então executado o Hino Nacional, pela Banda dos Fuzileiros Navais.

Após dar posse aos eleitos, Renan concederá a palavra a Dilma Rousseff, que fará um pronunciamento no qual deverá apontar as prioridades para seu segundo mandato.

Finalizada a cerimônia de posse, a presidente segue para o gramado em frente ao Congresso e, como comandante-chefe das Forças Armadas, passará em revista as tropas da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, sendo ainda homenageada com uma salva de 21 tiros.

Dilma embarcará novamente no Rolls-Royce presidencial e seguirá para o Palácio do Planalto, para subir a rampa e se dirigir ao Parlatório. Como não haverá transmissão da faixa presidencial, por se tratar de reeleição, ela poderá receber a faixa do cerimonial ou já chegar ao Parlatório com a faixa no peito, para então fazer o discurso à população.

O público poderá acompanhar a cerimônia dos gramados ao lado do Congresso Nacional e também na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto.

Até o momento, previsões meteorológicas indicam uma tarde de sol para o dia 1º, mas, caso chova, todo o roteiro externo da cerimônia será alterado. O desfile pela Esplanada dos Ministérios pode ser suspenso, e a chegada de Dilma ao Congresso não será pela rampa, mas pelo Salão Branco, conhecido como Chapelaria. Com chuva, também a salva de tiros será cancelada, e a revista às tropas, ao final da cerimônia, será feita na Chapelaria.

Celebração
À noite, Dilma Rousseff receberá convidados para um coquetel no Palácio do Itamaraty. Está confirmada a presença de 27 chefes de Estado e de 66 delegações estrangeiras. Entre os chefes de Estado presentes devem estar a presidente do Chile, Michelle Bachelet, e os presidentes do Uruguai, José Mujica, e da Venezuela, Nicolás Maduro, além do vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e do primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven.


O Partido dos Trabalhadores anuncia, em sua página na internet, a realização de shows musicais em palco montado na Esplanada dos Ministérios, para celebrar o início do segundo mandato de Dilma Rousseff.