10 de jul de 2011

Homenagem ao pastor João Carlos Padilha de Siqueira, por sua esposa, irmã Márcia Teixeira

Pastor João Carlos Padilha de Siqueira (in memorian)

No dia 21 de abril, na cidade de Presidente Prudente, partiu para estar com o Senhor o querido pastor presidente da AD naquela cidade, João Carlos Padilha de Siqueira. Em mim que sou um jovem assembleiano, a garra, força, determinação e zelo com que realizava a obra de Deus, despertou uma grande admiração.



Sempre observei sua postura, hora pregando nas Escolas Bíblicas da AD em SP, hora atuando na Mesa Diretora da CONFRADESP e sempre nos trabalhos realizado pela AD Prudentina através do Jornal/Revista Semeador.

No Mês de maio, A revista Semeador foi especial, trouxe um resumo da vida deste nobre homem de Deus, na coluna da mulher, sua digna e admirável esposa, irmã Márcia Padilha de Siqueira, coordenadora das mulheres da AD em Prudente lhe escreveu uma linda homenagem que reproduza agora aqui neste meu espaço na internet, como sinal de admiração e respeito por este que em pouco tempo, fez muito, pela obra de Deus.

Ao Meu Príncipe com Amor

Você me conheceu numa cidadezinha: Corumbá-MS, onde nasci, cresci, era filha de uma viúva pobre de ma-ré-de-sí chamada Lídia, mãe de nove filhos, e os sustentava com lavagem de roupas para fora. Minha pobreza, meu esforço para sobreviver, trabalhando, estudando, minha humildade e pouca beleza lhe chamaram a atenção, e numa boa amizade fraternal, conhecemos um ao outro; Um tanto novo para assumir qualquer relacionamento, apenas 15 anos, mas desde cedo muito responsável, convidou-me para aprender música, e eu aceitei, e logo depois fui fazer parte de sua banda musical e como era esperto, me arrumou um lugar bem pertinho de você. E ali nasceu o sentimento mais lindo dentro dos nossos corações. Já começamos a louvar a Deus juntos, a participar de cultos em feiras, praças públicas, fiéis alunos de Escola Dominical, regência de jovens, vigílias, congressos...

Você ingressou na carreira Militar, Fuzileiro Naval da Marinha do Brasil. Ufa! Que alegria, agora sim, com uma profissão garantida, poderíamos nos casar, mas ainda era muito novo, com apenas 18 anos. No entato, já era projeto de Deus em tudo começar muito cedo em sua vida.

Te assustei com um xeque-mate: “Ou casamos ou terminamos”. E você por já estar tão apaixonado não teve como dizer não. E eu mesma sem ter condições mínimas de comprar um enxoval adequado, combinamos a data, 2 de fevereiro de 1985. E até meu vestido de noiva de 2° mão, me ajudou comprar. Na época, foi muito caro, mas também era muito lindo.

E assim realizamos a cerimônia mais linda, simples, pura, abençoada e selada por Deus e por nossos pais Carlos Padilha e Benedita, José Paulo e Lídia, comemorada por toda nossa família: Padilha e Teixeira, nossos irmãos e amigos.

E assim continuamos nossa trajetória de vida cristã, servindo a Deus. Você já dirigindo congregação: Bairro Cidade Jardim, Vila Itaú, Regência de Jovens Geral, regente da banda musical e ainda ajudava no coral, enfim tantas ocupações dentro da Igreja e na Obra do Senhor. Eu também trabalhando já podia te ajudar financeiramente. Fiz o curso de Magistério, e cursando Letras, já lecionava. Você com o conhecimento que tinha com os fuzileiros navais também vendia terrenos e foi numa dessas transações que conseguiu trocar o terreno que minha mãe tinha por uma casa descente, e a sogra que já o amava, passou a amá-lo mais ainda, ganhou uma casa nova, deixou a casinha de tábua de quatro cômodos por uma de alvenaria com direito a banheiro dentro de casa e muito mais (um genro desses quem não gostaria de ter?). Mas dentre muitas que estavam a fim de você, você me escolheu, a plebeia que virou Cinderela e encontrou seu príncipe. Só que com uma diferença: À meia-noite não se separaram, o encanto não terminou. Você me fez a princesa mais Amada, mais Privilegiada, mais Honrada, mais Abençoada e ainda me deu rês joias preciosas: Marcielly, João Carlos Filho e a Maressa.

Vivemos momentos de muita paz, alegria, regozijo na presença e na obra do Senhor, e em nosso lar, onde você tinha prazer em receber os amigos, irmãos e toda família, por isso, construiu uma casa bem grande, para que todos se sentissem bem quando fossem hospedados. Amou a todos sem distinção, chamou seu pai para morar conosco, para cuidar dele na velhice, mas no final foi seu paizinho quem cuidou de você, juntamente conosco. E agora ainda sem entender, infelizmente vivemos de muita tristeza, de dor, de sofrimento com toda sua família, todos seus irmãos, igreja e amigos VIVERAM A SUA DOR...

Aguardávamos com muita fé, com muita ansiedade, “Um milagre”. Mas o Papai do Céu como é mais forte que nós, nos venceu e o maior MILAGRE aconteceu, Ele te fez descansar, só que nos braços Dele, e onde você nunca mais sentiria dor, decepção, tristeza, somente alegria.

E como disse um amigo pastor seu, conjecturando (Pr. Elias Evangelista, de Fernandópolis) num dos seus aniversários. Que se Deus fosse construir alguma coisa muita linda lá no céu, ele ia te convidar, porque tudo que você fez aqui para nós e para a casa do Senhor é tudo muito lindo, exuberante, glamoroso, maravilhoso aos nossos olhos e aos olhos do Senhor. E sempre dizia: “Isso é coisa de crente”, e “Tudo para o Senhor tem que ser o melhor”.

Aprendi com você a amar mais a Deus e as pessoas, a perdoar aqueles que nos ofendem e a ver no outro mais as qualidades que os defeitos. A dar a Deus minhas ofertas e o meu melhor. E mais..., aprendi a sonhar e a realizar minhas metas e objetivos. Você foi um Mestre Excepcional em tudo, e esta coluna é pequena para descrever seu valor, seu potencial.

João Carlos Padilha de Siqueira, meu Amor, meu Amante, meu Amigo, meu Pai, meu Irmão, meu Guerreiro, meu Valente e meu Vencedor... Você lutou, tombou, como um príncipe, como um grande... (II Samuel 3.38). Deixou um legado de valor inestimável, incalculável para seus filhos, genro, família, igreja, irmãos e amigos.

Você foi, mas seus sonhos, suas obras, seus projetos, continuam e são eles que nos ajudam a superar um pouco da dor. Agora em 26 de junho, no Parque do Povo, às 14h, comemoraremos o Centenário das Assembleias de Deus, fechando com “Chave de Ouro” um dos seus últimos projetos: Batismo de 1.000 pessoas, mil almas que você, com seus companheiros obreiros, com garra, fé, determinação, ajudou a popular mais o céu.

Sempre será amado, lembrado e seguido por aqueles que também um dia querem alcançar o céu. Com eterno Amor despede-se aqui sua eterna namorada e Princesa, Márcia Padilha, com muitas, muitas, saudades, e suas joias preciosas, Marcielly, Rodrigo, João Carlos Filho e Maressinha, que estarei com a ajuda de Deus lapidando para em breve nos encontrarmos na Glória.

Por
Márcia Teixeira Padilha de Siqueira

Irmã Márcia Teixeira Padilha de Siqueira
Líder Geral do Departamento Feminino da AD
em Presidente Prudente (Foto: Ronnie Keison)