13 de nov de 2012

25 anos Presidente da CGADB - Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil

Saiba um pouco mais da trajetória do pastor José Wellington Bezerra da Costa à frente da entidade que reúne os líderes das ADs no Brasil

Pastor José Wellington Bezerra da Costa
A CGADB é a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, simplificando para os que não entendem muito do assunto, uma entidade mantida e formada somente por pastores das Assembleias de Deus. Lembrando que, ninguém é obrigado a ser filiado a mesma, a escolha é livre de cada pastor da Assembleia de Deus, porém, a sua maioria tem orgulho de pertencê-la.

A CGADB foi fundada em 1930, com a intenção de manter a unidade doutrinária das Igrejas em todo país e fortalecer a denominação.



De 2 em 2 anos, a CGADB realiza sua AGO (Assembleia Geral Ordinária), principal evento promovido pela Convenção Geral, onde os pastores se reúnem durante 5 dias para se confraternizarem, meditarem na palavra de Deus e discutirem sobre os rumos das Assembleias de Deus em todo Brasil, que tem em sua liderança, pastores filiados a ela.

A CGADB é conduzida por dois representantes de cada região do Brasil; Sul, Sudeste, Norte, Nordeste e Centro-oeste. Os líderes da CGADB são conhecidos como: Mesa Diretora que é formada por Um Presidente, Cinco vices-presidentes, cinco secretários e dois tesoureiros, para todos estes cargos, qualquer pastor membro da CGADB pode se candidatar para concorrer, visto que os cargos são ocupados por pastores escolhidos através do voto, em uma AGO realizada de 4 em 4 anos.

Pastor José Wellington Bezerra da Costa - Presidente da CGADB há 25 anos
Há exatos 24 anos o presidente da CGADB tem sido o pastor José Wellington Bezerra da Costa, também presidente da Assembleia de Deus em São Paulo, Ministério do Belém e da CONFRADESP - Convenção Fraternal das ADs no Estado de São Paulo.

Quem é o pastor José Wellington: Nascido em 14 de outubro de 1934, em São Luis do Curu, estado do Ceará, pastor Wellington é casado há 59 anos com a irmã Wanda Freire da Costa, com quem veio do Ceará aos 18 anos de idade. Chegando em São Paulo, ingressou no comércio, onde por muitos anos trabalhou como feirante, tendo muito sucesso na ramo.

O casal tem os filhos, pastores, José Wellington Costa Junior, Paulo Roberto Freire da Costa, Joel Freire da Costa e Samuel Freire da Costa; e as filhas Marta Maria Freire da Costa e Rute Freire da Costa Silva. A família ainda é composta por 4 noras, 2 genros, e alguns netos e bisnetos.

Pastor José Wellington foi por 10 anos secretário e 7 anos vice-presidente do Ministério do Belém, sempre ao lado do pastor Cícero Canuto de Lima, até substitui-lo na presidência deste mesmo Ministério em 20 de Janeiro de 1980.

Por estar a frente do Ministério do Belém, o maior e mais conhecido das Assembleias de Deus no Brasil, pastor Wellington teve seu nome conhecido em todo país, o que o levou a ocupar diversos cargos na CGADB; o primeiro deles foi ocupado no biênio 1977/1979, quando foi membro do Conselho Fiscal, órgão responsável pelas contas da entidade. Seu segundo cargo foi o de 1º vice-presidente, no mandato presidido pelo pastor José Pimentel de Carvalho de 1981 a 1983.

Em 1983 o mesmo concorreu ao cargo de presidente com os pastores Manoel Ferreira, Tulio Barros e Elizeu Menezes. Não conseguiu ser eleito, o vencedor foi o pastor Manoel Ferreira que obteve 683 votos, pastor Wellington ficou em segundo lugar com 655 votos. Como perdeu a eleição para mesa diretora, pastor Wellington foi escolhido para fazer parte do conselho que cuida da editora da denominação, o Conselho Administrativo da CPAD - Casa Publicadora das Assembleias de Deus.

Em 1985, os pastores das Assembleias de Deus no Brasil decidiram que seria eleita uma unica equipe, que foi presidida novamente pelo pastor José Pimentel, pastor Wellington estava como membro da equipe, desta vez, como 1º secretário.

Em 1987, novamente houve eleição para presidente da CGADB, pois a eleição nesta época ocorria de 2 em 2 anos. Dois pastores disputaram a presidência, pastor Alcebíades Pereira (Presidente da AD no Amazonas) e Manoel Ferreira (Presidente do Ministério de Madureira), que até então era ligado a CGADB. Pastor Alcebíades foi eleito presidente, em sua chapa, equipe, pastor José Wellington ocupou o cargo de 1º vice-presidente.

Em 12 de maio de 1988, após um ano na presidência da CGADB, pastor Alcebíades faleceu. Pastor José Wellington que era o 1º vice-presidente assumiu a liderança da CGADB. O mandato da Mesa Diretora nesta época era de três anos. Nesta época, a CGADB que depende da contribuição de cinco reais por mês de cada pastor era dificil financeiramente falando, como pastor Wellington já fazia parte da diretoria, estava ciente da situação.

Em 1989, por motivo de saúde, pastor José Wellington renunciou a presidência, o pastor Avelino Maicá assumiu a presidência em seu lugar.

Em 1990, novamente houve Assembleia Geral Ordinária e pastor Wellington, candidato, foi eleito pela primeira vez, com maioria absoluta dos votos, presidente da CGADB. Nesta época a diretoria da CGADB não podia ser reeleita na AGO de 1993, pastor Wellington foi substituido pelo pastor Sebastião Rodrigues de Souza, que concorreu com o pastor Samuel Câmara, que pela primeira vez perdeu a eleição para presidente da CGADB. Pastor Wellington passou a ocupar novamente o cargo de 1º vice-presidente até 1995.

Em 1995 pela segunda vez o líder paulista foi eleito presidente da Convenção Geral, desta vez por aclamação.  Em 1997, com a AGO em BH, pastor Wellington foi reeleito pela quarta vez presidente através do voto livre de pastores de todo Brasil, ganhando de seu concorrente, pastor Túlio Barros, um dos pastores mais conhecidos do País.

Suas reeleições se seguiram na eleições de 1999, quando não teve candidato e o líder foi eleito por aclamação; em 2001 novamente por aclamação; 2003 também por aclamação;  2005 também por aclamação, até chegar em 2007 onde concorreu com o pastor Samuel Câmara, saindo vencedor com a maioria dos votos, 52,3%; Em 2009, novamente pastor José Wellington saiu candidato a presidente, a eleição se deu em Serra, estado do Espírito Santo, seu concorrente novamente foi o pastor da AD em Belém (PA), pastor Samuel Câmara. E o pastor José Wellington Bezerra da Costa, na primeira eleição realizada através de urna eletrônica pela 9ª vez foi eleito presidente da CGADB com 52,9%, encabeçando a equipe denominada "CGADB é Você".

A partir da eleição de 2009, com a reforma do estatuto, a mesa diretora só tem direito a mais um mandato, caso seja eleita, este mandato conquistado através do voto legítimo em 2009 se encerra em abril de 2013, e novamente, com o apoio de milhares de ministros, e dezenas de presidentes de convenções regionais das ADs pastor Wellington é candidato.

O que foi feito nestes 25 anos de Presidência

(Aqui é onde eu queria chegar - Tiago Bertulino)
O líder contrário ao pastor José Wellington e seu concorrente nos últimos anos à liderança da CGADB, tem batido fortemente nestes últimos meses, inclusive na tv, em cima da marca de 25 anos em que pastor Wellington esta a frente da CGADB; o comparando a líderes políticos que levaram seus países a destruição e falência, o que não é o caso do pastor José Wellington, pois em sua liderança, a CGADB, bem como as Assembleias de Deus no Brasil cresceram e muito, conquistando reconhecimento das Assembleias de Deus em todo o mundo, como sendo a Brasileira a maior e mais bem estruturada AD.

Nestes 25 anos a CGADB:
1 - Inaugurou sua sede própria no Rio de Janeiro;
2 - Criou e colocou na tv o programa oficial da denominação, o Movimento Pentecostal;
3 - Criou a UNEMAD - União das Esposas de Ministros das ADs;
4 - Criou a EMAD - Escola de Missões das ADs;
5 - Reestruturou a CPAD;
6 - Construiu a nova sede da CPAD;
7 - Criou a Editorial PATMOS, editora CPAD na América Latina;
8 - Criou a PATMOS MUSIC, hoje CPAD Music, selo fonográfico da CPAD;
9 - Realizou a década da Colheita, dez anos em que a igreja investiu fortemente na evangelização nacional, alcançando um grande número de novas vidas para Cristo.
10 - Criou, fundou a FAECAD - Faculdade das Assembleias de Deus, reconhecida pelo MEC com sua primeira unidade no RJ, ao lado da sede da CGADB, onde também tem local próprio.
11 - Criou e pôs no ar a CPAD FM em pleno funcionamento na internet e em rádios seculares em diversas partes no Brasil;
12 - Criou a SENAMI - Secretaria Nacional de Missões, que tem contribuído para missões, conscientizado sobre missões e dado apoio a todos os missionários das ADs no Brasil. 
13 - Realizou centenas de eventos destinados a todas as faixas etárias e setores da Igreja através da CGADB e CPAD com a intenção de fortalecer a liderança e membresia da Igreja em geral como:
13a - ELAD - Encontro de Líderes das ADs;
13b - Escola Bíblica Nacional para Obreiros e Esposas;
13c - Encontro Geral JC para Jovens e Adolescentes;
13d - Congresso Nacional de Escola Dominical;
13e - Conferências regionais de Escola Dominical;
13f - Congresso Nacional de Música e Louvor;
14 - Liderou campanhas de ação social para diversas regiões do país como Alagoas, Pernambuco, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Piauí e outros socorrendo vítimas de catástrofes naturais e etc.

e muitos outros eventos até chegar em 2008, quando iniciou a programação alusiva ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil, comemorado em todo país com Conferências regionais, Escolas Bíblicas Nacionais, Congressos Femininos, Assembleias Gerais, Congresso Internacional de Missões, chegando até a Suécia, terra natal dos missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren que fundaram as Assembleias de Deus no Brasil.

Sob a liderança do pastor José Wellington a CGADB alcançou a marca de mais de 50 mil pastores em seu quadro de obreiros filiados. Pastor Wellington, mesmo com seus 78 anos tem sido incansável no cuidado com a igreja do Senhor em todo território nacional e merece todo nosso respeito, carinho e admiração.

Sou totalmente contrário a alguns flaches que o pastor Samuel Câmara, que disputa a CGADB lança em seu programa sobre os 25 anos de presidência do pastor Wellington; não sou contrário a candidatura do pastor Samuel, é um direito do mesmo, porém, sejamos coerentes e saibamos respeitar nossos líderes. Não é desrespeitando a atual liderança que o mesmo chegará a ser líder da CGADB.

Todas as vezes que o mesmo perdeu para o pastor Wellington, perdeu no voto, as urnas declaram pastor Wellington eleito. Se não fossem os votos depositados nas urnas, com toda certeza pastor Câmara já seria presidente da CGADB, pois tem sido o último candidato a concorrer com o pastor Wellington nos últimos anos.

Se o resultado das urnas não fossem fiéis, como alguns dizem, com toda certeza, a justiça secular, para a qual pastor Samuel Câmara sempre recorre quando é contrariado no que diz respeito a CGADB, ou quando acredita que a diretoria da CGADB esta sendo desleal referente a qualquer assunto no âmbito da entidade, já teria tirado pastor José Wellington da presidência da CGADB.

Gostaria, que, o pastor Samuel usasse seus horários na tv brasileira, para, ao invés de falar de problemas da CGADB e criticar o tempo em que pastor Wellington esta na liderança, os usasse para pregação do evangelho, pois muitas pessoas investem em seu programa para isso, inclusive eu assisto e já contribui, pois em parte gosto de seu trabalho na tv e acredito que tem abençoado muitas vidas.

Pastor José Wellington nunca pagou e nem obrigou a nenhum pastor que votasse em seu nome para presidir a CGADB, os pastores o escolheram, em primeiro lugar porque o que prevalece em tudo em cima desta terra e em baixo do céu é a vontade de Deus; E porque os pastores membros da CGADB, até a eleição de 2009 acham seu nome o melhor para os representar.

Aliados ao pastor Samuel Câmara, ao criticarem o pastor Wellington por estar a frente da CGADB há 25 anos, deveriam antes, entregar suas igrejas, pois ele próprio esta a frente da Igreja em Belém do Pará há 15 anos. E com toda certeza não pretende sair. Se 25 anos é muito, é prejudicial, o que dizer de 15, 10, ou seja 5 anos?

E não digamos que CGADB não tem nada a ver com igreja, pois os pastores que fazem a CGADB só são membros dela por que são membros, pastores de uma igreja Assembleia de Deus no Brasil. Ou seja CGADB e AD estão juntas, assim como AD e CGADB.

Não quero aqui dizer que o pastor Wellington deve presidir a CGADB por toda vida, mas sim, afirmar que o estatuto lhe garante o direito de concorrer há mais um mandato. Também afirmar aqui que o mesmo não esta na presidência por forçar alguém ha o manter em tal cargo, esta na liderança da CGADB porque conquistou a confiança da maioria de seus membros, o voto lhe garantiu isso. Pastor Samuel também tem todo direito de ser candidato, até presidente da CGADB, é um homem de Deus, um líder leal e querido por suas milhares de ovelhas, porém, não é desrespeitando, mostrando falhas, desonrado qualquer que seja o líder que chegará lá.

A próxima eleição da CGADB se dará em 11 de abril de 2013, antes de falar mal, procure conhecer a história, ouça mais de uma versão, pois muitos a contam como acreditam, e não como realmente ela é.

Oremos para que seja eleito o eleito de Deus.


Sou um jovem cooperador na obra de Deus, líder de um pequeno conjunto com nada mais que 50 adolescentes, o CAADEJE - Conjunto de Adolescentes da AD em Jd. da Estação, porém, um amante da história da AD no Brasil e seus líderes. Este é meu blog, um espaço onde posso publicamente declinar o que penso a respeito de qualquer assunto, desde que não atinja a honra e integridade de qualquer pessoa, pois isso é o que garante a constituição de nosso país, e como membro da Assembleia de Deus, me interesso pela CGADB, mesmo não sendo membro da mesma, mas por acreditar que a mesma faz parte da história de nossa denominação. Ciente de que este post pode ter erros, estou sempre pronto a atualizá-lo para não ser infiel a verdade.


De Águas de Lindoia, SP, 10 de novembro de 2012; 

Tiago Bertulino

(Parte dos dados históricos desta matéria foram retirados dos livros: História da CGADB, História da CPAD, Edições do Jornal Mensageiro da Paz e do Livro Biográfico do pastor José Wellington lançado pela CPAD em 17 de setembro de 2012).

Diferente de alguns e do que muitos pensam, não escrevi este texto com a intenção de obter status ou algo do tipo, mas simplesmente por princípios que acredito ser bons e com o intuito de informar ainda mais.